13 de Fevereiro de 2011

O Museu do Louvre merece um lugar nos 'Mapas bués de porreiros!' tal são as suas dimensões e riqueza cultural que assume um lugar de destaque no turismo parisiense.

Em baixo, à esquerda, o antigo 'Castelo do Louvre', e à direita o aspecto actual do Museu, donde se nota os pátios, e o jogo de triângulos e pirâmides que cobrem o hall principal.

 

Aqui o mapa geral, com os nomes de cada pavilhão, dos pátios e das ruas adjacentes...

 

Em baixo um mapa de acessibilidades, na qual a linha 1 do metro é a melhor opção. 

Além da entrada principal na Grande Pirâmide, a melhor forma de evitar as grandes filas é entrar pelo Arco do Carrousel, que vai ter à zona comercial do museu.

publicado por Nuno às 19:03

O museu mais visitado do mundo (mais de 8 milhões de pessoas por ano) fica aqui em Paris, ocupando cerca de 700 metros da margem a Norte do Sena. Mais do que um museu, o Louvre é um enorme complexo arquitectónico que foi sendo construído, destruído, e reconstruído desde há mais de 800 anos para cá, representando um peso importantíssimo na história da cidade... Para muitos o centro de Paris é aqui, representando o 1º arrondissement, enquanto a Mairie (Município) fica no 4º arrondissement!

Tudo começou com uma fortaleza chamada 'Castelo do Louvre', e mandada construir pelo rei Filipe Augusto para proteger a cidade dos Vikings. Desde aí, foi sendo modificada, sobretudo aumentada com o tempo, para se tornar palácio real, e mais tarde um museu, aberto ao público em 1793 (é possível visitar as bases das torres da fortaleza, numa das salas mais baixas do museu). As dimensões do edifício eram tão grandes, que o Louvre não só incluía museus, como alguns ministérios. A última grande modificação foi precisamente nos anos 80 quando os ministérios foram transferidos para outro local, iniciando um grande projecto de expansão e modernização do Museu do Louvre, simbolizado pela Pirâmide de vidro da autoria de I.M. Pei, que acabou finalmente com o grande problema das entradas no museu, e nas suas diversas secções.


DSC03243-w307-h230.JPG DSC03241-w307-h230.JPG
DSCN0872-w307-h230.JPG DSC02828-w307-h230.JPG
DSC02829-w307-h230.JPG DSC02830-w307-h230.JPG

 

Graças a este projecto de ampliação, a grande pirâmide de vidro localizada no Cour Napoleón (o pátio maior e mais central entre os 7 que estruturam o complexo) permite a passagem do exterior para uma vasta galeria subterrânea iluminada pelo conjunto de pequenas pirâmides de vidro que acompanham a maior. Esta galeria, além de conter espaços comerciais, bares, e os habituais serviços dum museu, facilita e organiza o impressionante fluxo de pessoas que passam duma galeria a outra. O Museu do Louvre que apesar de tudo não chega a ocupar todo o edifício, contém 4 grandes secções abertas a qualquer público, e são: a Pintura Europeia (1200 a 1850), a Escultura Europeia (1100 a 1850), Antiguidades Orientais, Egípcias, Gregas, Etruscas e Romanas, e os 'Objects d'Arts' (as pequenas peças desde joalharia a porcelanas).

É de facto impossível visitar todo o museu num dia ou dois, dadas as suas dimensões, e a quantidade de obras que não pára de aumentar desde a pequena colecção inicada por Francisco I (século XVI). A maior parte dos visitantes quer ver sobretudo a Mona Lisa do Leonardo da Vinci, e por isso não admira que a Pintura Europeia seja a secção mais congestionada.

Cada corredor, cada hall, cada parede, cada tecto, e até mesmo cada chão, são ou contêm arte no seu estado mais puro e histórico. Infelizmente o deslumbramento não consegue esconder o cansaço ao fim de algum tempo, e existem bancos e sofás ao virar da esquina.


DSC02831-w307-h230.JPG DSC02832-w307-h230.JPG
DSC02839-w307-h230.JPG DSC02840-w307-h230.JPG
DSC02841-w307-h230.JPG DSC02849-w307-h230.JPG


Chegar à sala onde se encontra a Mona Lisa não é fácil, ainda assim, as indicações são claras, e fazem as pessoas desejar incessantemente por ver a pintura, preparando já a máquina fotográfica... Chegado à tão esperada sala, a quantidade de pessoas a tirar fotos cobrem por completo uma pintura que é tão incrivelmente pequena! Seguranças e um grande perímetro de segurança não impedem que as pessoas se amontoem para tirar fotos e ainda façam o exercício habitual de confirmar se os olhos da Gioconda as seguem para todo o lado... Exactamente no lado oposto da sala, um enorme quadro cobre toda a parede, represantando pormenor e simbologia que enchem de orgulho qualquer francês, mas poucos visitantes o notam. Tirada a foto desejada, resta procurar a saída o mais rápido possível, acabando com a sensação claustrofóbica de estar dentro dum shopping durante todo o dia.

Mas não é fácil sair do museu, e para lá chegar as pessoas são obrigadas a deparar-se com obras-primas fantásticas em cada canto... Em vez de lojas que substituem janelas para nos obrigar a comprar a todo o custo, aqui as pinturas enchem as paredes obrigando-nos a entrar num mundo à parte de símbolos, jogos de luz e cor, não há escapatória possível, tal é o labirinto em que se transforma o interior do Louvre!


DSC02844-w307-h230.JPG DSC03249-w307-h230.JPG
DSC02842-w307-h230.JPG DSC02854-w307-h230.JPG
DSC02852-w307-h230.JPG DSC02855-w307-h230.JPG

DSC02862-w307-h230.JPG DSC02838-w307-h230.JPG
DSC02837-w307-h230.JPG DSC02851-w307-h230.JPG

A escultura europeia também tem um peso significativo nos desejos mais básicos dos visitantes. A Vitória de Samotrácia e a Vénus de Milo são as estrelas, por aquilo que aqui e ali se fala. Mas muitas outras esculturas são de encher o olho, e deslumbram quem se esvaziar completamente de preconceitos, e de significados históricos e se centrar na forma.

A arte das civilizações mais antigas também é digna de visita, mas causa-me uma certa intranquilidade, pondo-me a pensar até que ponto estas obras devem estar aqui em vez de estarem expostas nos seus países de origem. Esta situação faz lembrar a exigência polémica mas compreensível, dos gregos a Londres para devolverem partes do Parthénon. De facto, em certas alturas chegámos a pensar que estamos num outro mundo e outro tempo, tal é a quantidade de peças 'estranhas', ora completas, ora parcialmente destruídas que aqui se encontram, obrigado o museu a transformar alguns pátios em enormes galerias fechadas para receber tanta escultura (ver últimas fotos)!

DSC02834-w307-h230.JPG DSC02863-w307-h230.JPG
DSC02856-w307-h230.JPG DSC02859-w307-h230.JPG
DSC02861-w307-h230.JPG DSC02858-w307-h230.JPG

DSCN0869-w307-h230.JPG DSCN0870-w307-h230.JPG


Incrivelmente, o espólio do museu continua a crescer, e o Louvre, antes que arrebente pelas costuras, já está com um projecto para abrir sucursais noutras cidades e noutros países... Um dos locais escolhidos é, imaginem só, no Dubai...

publicado por Nuno às 15:33

Estudantes do Institut Français d'Urbanisme

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores
Procurar coisas:
 
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

28


Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

28


Temperaturas por estes lados:
Weather in Paris
subscrever feeds
blogs SAPO