24 de Janeiro de 2011

Natal é com a família, e com verdadeira comida à portuguesa, etc., etc... O nosso pequeno quarto em Saint-Denis ia apanhar pó por quase duas semanas...

Há duas coisas de que nos arrependemos em grande escala nesta experiência Erasmus: não ter arranjado alojamento muito tempo antes de chegarmos a Paris, e não ter reservado um voo barato para passar o Natal em Portugal muito tempo antes também... O resultado de ter de esperar que os professores decidicem as datas dos últimos testes e entregas de trabalhos, foi que nem Ryanair nem Easyjet nos safaram, não havia uma única companhia aérea com lugares disponíveis para esta altura a menos de uma quantia choruda! Única solução: regressar a casa de camionete... Precisamente no dia em que íamos sair de Paris, é que neva pela primeira vez desde que cá estamos...


DSC02668-w307-h230.JPG DSC02670-w307-h230.JPG
DSC02671-w307-h230.JPG DSC02673-w307-h230.JPG


Não foi preciso despertador para acordar cedo naquela manhã, uma luz estranhamente branca furava os cortinados do quarto, contrastando com os útimos dias de céu limpo, em que os raios de luz solar se inclinavam como nunca para acordar qualquer um que não tenha estores na janela (em Paris não existem estores!). O resultado foi abrir os cortinados e ter uma visão rara... Ficam as fotos daquela manhã que não esqueceremos tão cedo, e mais à frente, as fotos dum dia que também não esqueceremos mas por motivos menos bons...


DSC02676-w307-h230.JPG DSC02681-w307-h230.JPG
DSC02678-w307-h230.JPG DSC02677-w307-h230.JPG


Impressionante! No dia anterior, um dia espectacular de céu azul, e neste dia nevava como nunca tínhamos visto antes... Nem nos passava pela cabeça a influência que o intenso nevão teria na viagem de camionete de regresso, prevista para durar umas 20 horas!

Depois dos últimos preparativos (muita comida para a viagem, quase esgotávamos o stock de baguetes frescas do Franprix), lá fomos nós apanhar a RER em direcção à estação de camionetes de Paris Gallieni. Durante o caminho dá para ter uma noção de uma cidade afectada pela neve... O comboio RER ia andando aos soluços, atrasando-nos bastante, e sem que pudéssemos correr com as malas a arrastar em camadas de neve de 20 cm!


DSC02682-w307-h230.JPG DSC02683-w307-h230.JPG
DSC02684-w307-h230.JPG DSC02688-w307-h230.JPG


O que estava a ser um belo dia, em que a neve nas ruas da cidade nos deslumbrava, passou rapidamente a um dos piores dias que já tivemos, e os palavrões direccionados à neve começavam a surgir de 15 em 15 minutos.

O facto da camionete disponibilizada ser de curta duração facilmente se resolvia se parássemos pelo menos de 4 em 4 horas, mas não deixa no entanto de ser estranho visto aquele estranhíssimo estado meteorológico... Os problemas maiores vieram no entanto a seguir num efeito dominó que começou no corte das estradas por causa do forte nevão...


DSC02692-w307-h230.JPG DSC02690-w307-h230.JPG

DSC02689-w307-h230.JPG DSC02691-w307-h230.JPG


Diário de Bordo:

- 4 horas para sair de Paris!!

- Camionete no máximo a percorrer a auto-estrada a 50 km/hora...

- O atraso foi tanto que de noite, quando chegámos a Bordéus, as dezenas de emigrantes portugueses que também regressariam a casa naquele dia tiveram de esperar ao frio umas 6 horas, sem que houvesse uma paragem coberta e fechada... Foi impossível dormir naquela noite, tal era a revolta dos nossos compatriotas, que durante todo o resto da viagem insultavam o motorista em todas as línguas possíveis... Não dormíamos, mas já nos sentíamos 'em casa'!

- Para uma viagem de 20 horas entre Paris e Porto, e apenas um motorista? Algo não vai dar certo...

- Dito e feito: o cartão de motorista que desbloqueia o sistema da camionete, e que o obriga a parar de x horas em x horas para fazer a troca, deu de si... Onde está o segundo motorista para trocar?? Mais umas horas parados, isto já em Espanha, e o tom da revolta já chegava às ameaças... Já não sabia se me havia de rir ou de chorar... Numa viagem de mais de 20 horas seguidas, isto foi acontecendo mais do que uma vez...


DSC02698-w307-h230.JPG DSC02701-w307-h230.JPGDSC02702-w307-h230.JPG DSC02704-w307-h230.JPG


Dentro da camionete assístiamos a uma miniatura do verdadeiro Portugal durante um Porto-Benfica, com o motorista a fazer de árbitro. Lá fora existia uma paisagem idílica que nos cansava e nos pasmava ao mesmo tempo. O branco do céu confundia-se com o solo, e só os troncos das árvores mais próximos desenhava a paisagem e nos fazia crer que não estávamos mesmo num sonho ou num pesadelo! Porque a acrescentar a isto, raramente parámos em estações de serviço, visto que o atraso já chegava a umas boas horas (na primeira foto em baixo, estou eu à frente da nossa 'espectacular' camionete nas poucas vezes que parámos para descansar, ou cansar, e comer)... Já em Espanha, e já de dia outra vez, a neve e o nevoeiro ia dando a lugar a chuva e a céu azul com algumas nuvens...

Já não nos acreditávamos que chegaríamos a tempo do Natal a Portugal, mas quando atravessámos a fronteira, e passámos pela placa que dizia em lindas letras P-O-R-T-U-G-A-L a grande velocidade para compensar o incompensável, só ligávamos aos nossos pais a dizer: Guardem o almoço na mesma!


DSC02711-w307-h230.JPG DSC02705-w307-h230.JPG
DSC02709-w307-h230.JPG DSC02712-w307-h230.JPG


Passadas 27 horas, muitas das quais a rir e a ouvir os desabafos do comum e energético imigrante português, enquanto sustentávamos as pálpebras e as pernas como podíamos, já nada nos confortava mais, do que ver o skyline do Porto ao longe, as lágrimas que enchiam a estação de camionetes de 24 de Agosto, ouvir os últimos 3 meses de vida dos nossos irmãos, e a comida, ai a comida sobre a mesa, numa casa portuguesa com certeza...

O regresso, pouco antes do Ano Novo, também ia ser de camionete, porque continuava a não haver voos para Paris, mas mais vale nem pensar nisso...

publicado por Nuno às 16:49

Ana:
Ao ver esta reportagem recordo-me da minha última vez em Paris, estive lá 15 dias, parti no dia 26 de Dezembro com o intuito de passar lá a passagem de ano, os dias foram frios, mas sempre com sol, reservei para o último dia fazer o cruzeiro no Sena, qual foi o nosso espanto que quando nos levantámos estava a nevar, era a nossa primeira vez, brincámos horas cá fora, pois recebemos informação que o centro turístico estava todo repleto de neve. À medida que as horas foram passando o entusiasmo ia refreando, pois estávamos com sempre a ver Tv e as informações eram preocupantes, os acessos à cidade estavam fechados, foi feito o alerta para as pessoas saírem só se fosse mesmo necessários e os aeroportos iam fechar, nós só pensávamos como sair de Paris, tinhamos o voo marcado para o fim do dia. Enfim, chegar ao aeroporto de Orly foi o caos, imensos acidentes, a autoestrada com imensa neve e acabámos por embarcar muitas horas depois e estar umas quantas horas dentro do avião até termos ordem para sair.
Parece que acontece com frequência em Paris, espero que na minha próxima viagem, que será no início de Dezembro, isto não volte a acontecer, pois por muito engraçado que seja no início, transforma-se num caos no fim.
Gostei muito do vosso blog, obrigada por partilharem com todos nós as vossas experiências.
Jocas
20 de Setembro de 2011 às 23:09

Obrigado :)
Bem, de facto, Paris com neve pode ser bem bonito, mas de resto, torna-se um verdadeiro caos. Apesar de tudo é uma cidade não muito habituada a nevões, de certeza que não terá problemas na proxima vez...
21 de Setembro de 2011 às 16:35

Estudantes do Institut Français d'Urbanisme
Procurar coisas:
 
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14

16
17
18
19
20
21
22

25
26
27
28
29



Temperaturas por estes lados:
Weather in Paris
blogs SAPO